Por que Trump enfrentará uma crise econômica

Por Marcelo Armani Lopes

A última crise mundial alertou o mundo para o elevado risco de contágio entre os mercados mundias e a ameaça de uma crise sistêmica. “Em 2008 a economia mundial esteve a poucas horas de um colapso”, afirmou Jim Rickards. O bilionário George Soros fez um diagnóstico mais grave: para ele, o mercado de fato colapsou em 2008, mas foi mantido vivo artificialmente pelas impressoras dos bancos centrais. É sempre ruim concordar com Soros, um globalista financiador da indústria do aborto, mas este é o caso.

A resposta do banco central americano para a crise foi adotar uma política de redução da taxa de juros e de compra de ativos considerados tóxicos. A intenção era afastar o perigo de um efeito dominó no mercado e, supostamente, “estimular” a economia provendo liquidez. Contudo, praticamente uma década depois, os sinais vitais da economia americana continuam fracos. Tudo o que o dinheiro novo gerou ao buscar um lugar de destino foi a formação de diversas bolhas que poderão existir tão-somente enquanto o preço de se endividar continuar barato.

Analogamente, imagine um aspirante a bon-vivant que de alguma forma convenceu um banco a lhe conceder um empréstimo milionário e com ele comprou uma mansão, carros de luxo e contratou uma dezena de empregados. Como esse cidadão consome recursos acima do que produz (nesse caso, nada produz), seu estilo de vida durará até o dinheiro emprestado terminar, e conceder-lhe um novo empréstimo não lhe fará bem algum a não ser o de adiar sua inexorável ruína financeira.

Não obstante, a narrativa oficial é de que os Estados Unidos estão se recuperando “lenta e gradualmente”. Mas a verdade inconveniente é que essa narrativa perde credibilidade a cada nova divulgação de dados econômicos ruins.

Você pode enganar todas as pessoas durante algum tempo, e algumas pessoas o tempo todo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo.” (Abraham Lincoln)

Uma crise econômica está à espreita. Quando ela acontecerá? E o que Donald Trump pode fazer para recuperar o país?

Estes são os pontos abordados neste artigo.

O cenário atual

O dólar é utilizado como reserva de valor na economia mundial. Por isso, o estado da economia americana é um dado muito importante para o mundo. Os países se tornam credores do governo americano ao comprar seus títulos de dívida – que são promessas de pagamento em dólar. Entre eles, destacam-se o Japão e a China:

Debt per Country

O banco central americano tem interesse em transmitir ao mundo uma imagem de segurança, na qual sua política monetária é bem-sucedida e a economia está em franca recuperação. Consoante com tal intenção, o FED passou os últimos anos programando a normalização da taxa de juros através de aumentos graduais e sucessivos. Até aqui, todavia, a velocidade de execução desse processo deveria suscitar mais dúvidas do que certezas. Passados 9 anos desde a última crise, a taxa de juros continua em um nível historicamente anormal.

Independentemente do discurso oficial, essa hesitação reflete preocupação em relação ao que uma economia tão dependente de crédito seria capaz de suportar.

Para ilustrar, veja o gráfico abaixo, onde a linha vermelha representa a evolução do endividamento do setor público em relação ao PIB, e a azul, o das famílias, também em relação ao PIB:

endividados

O cruzamento entre as duas linhas, a partir da Crise de 2008, reflete o diagnóstico de Soros: coube ao setor público aprofundar seu endividamento para prover a liquidez que o setor privado então começara a retirar do mercado.

É graças à existência de um banco central que esse movimento foi possível. Seu financiamento de novas dívidas proporciona ao governo um duplo benefício: primeiramente, a certeza de um comprador; secundariamente, através da criação de uma demanda artificialmente elevada por esses títulos de dívida, a redução da taxa de juros paga por esses empréstimos. Essa taxa adulterada, por sua vez, referencia financiamentos em toda a economia – assim, uma decisão tomada por um pequeno grupo chega até o nível individual e impacta o padrão de vida de milhões de indivíduos. Daí sua sensibilidade.

A seguir, veremos por que essa interferência é prejudicial.

A taxa de juros

Para entender o que está em jogo, é importante compreender os efeitos da manipulação da taxa de juros na economia. A rigor, ela deveria ser um preço de mercado como qualquer outro e refletir a preferência temporal dos indivíduos em um determinado momento. Nada parecido com o que se tem hoje, você sabe.

Há diversos efeitos resultantes da manipulação de um preço de mercado. Por exemplo: se um político decreta o controle de preço sobre o litro do leite, vamos supor, logo o povo não encontrará leite nas prateleiras do supermercado. O teto atribuído ao preço do leite tem um efeito proibitivo sobre o lucro do produtor, e então este simplesmente interrompe a produção.

Em um sistema onde o crédito fosse baseado em poupança real, o controle sobre a taxa de juros – um preço de mercado como qualquer outro – teria efeito semelhante. Se os poupadores são proibidos de emprestar cobrando além do que foi estabelecido por decreto, o resultado é uma escassez de dinheiro disponível para empréstimo. A atividade bancária típica de intermediação entre poupadores e empreendedores fica restringida. Entretanto, apesar desta infeliz proibição, quando considerada a sociedade como um todo, não haveria uma disparada no nível de endividamento; este estaria restrito à disposição dos poupadores de emprestar recebendo o juro estipulado artificialmente.

Já em um sistema que utiliza reservas fracionárias e possui um banco central o impacto de semelhante controle ganha uma proporção diferente. Nele, a oferta de moeda disponível para empréstimo é, de forma artificial, múltiplas vezes maior do que os recursos efetivamente poupados pela população. Neste caso, quando o banco central empurra a taxa básica de juros para próximo de zero, tudo o mais constante, as consequências de longo prazo são amplificadas.

Resultado de imagem para credit trap

Inicialmente, a sociedade desfruta de uma sensação de bem-estar geral, como se houvesse chegado o tempo de usufruir daquilo que ela, prudentemente, se abstivera no passado. É como um sacrifício finalmente recompensado, só que sem a parte do sacrifício. Um pouco mais de tempo e começam a surgir os sinais do desarranjo entre a alta demanda por crédito, induzida artificialmente, e a verdadeira preferência temporal de consumo da sociedade, o fator crítico de formação da poupança real disponível para empréstimo. São alguns desses sinais: 1) uma tendência de endividamento elevado da sociedade como um todo (governo, empresas e indivíduos), devido à facilidade de acesso ao crédito, 2) desestímulo à abstenção de consumir, portanto, à formação de poupança, o verdadeiro motor de um crescimento sustentável; 3) a formação de bolhas e 4) no médio ou longo prazo, encarecimento do custo de vida (carestia).

Para melhor entender essa distorção a partir da taxa de juros, é preciso considerar a função dos preços na economia. Um preço de mercado – quando formado livremente pela lei de oferta e demanda e sem interferência estatal – serve de sinal para os agentes. Quando o preço de um determinado produto está alto, o incentivo para que novos empreendedores entrem no mercado ofertando este produto cresce, gerando uma concorrência que beneficiará o consumidor na forma de produtos melhores e mais baratos. Com o preço agora reduzido, alguns empreendedores, por sua vez, deixam esse mercado à procura de oportunidades melhores: é desse modo que todo e qualquer preço formado livremente estabelece um diálogo silencioso entre consumidores e produtores; entre os bens que algumas pessoas estão demandando e as condições de preço e quantidade nas quais outras podem ofertá-los. Por outro lado, ao baixar a taxa de juros artificialmente o preço do dinheiro passa a indicar enganosamente um grande poder de compra latente – como se houvesse poupança prévia -, sinalizando uma falsa preferência temporal pelo futuro em detrimento do presente. No entanto, como a preferencia temporal das pessoas na realidade não mudou, tudo o que a criação de dinheiro a partir do nada faz é criar, no presente, uma quantidade de dinheiro maior perseguindo a mesma quantidade de bens na economia; consequentemente, os preços em geral sobem, inclusive os preços dos bens de capital e insumos necessários à realização de projetos de longo prazo (aqueles que dependem de uma genuína preferência temporal do público pelo futuro). Logo, esses empreendedores veem o lucro dos seus projetos inviabilizados pelo aumento nos custos de produção, imprevisto por eles. O preço do dinheiro emitiu sinais errados; – um falso sinal que só pôde ser emitido graças à possibilidade de criação de dinheiro a partir do nada realizada pelos bancos.

A manipulação da taxa de juros é uma tentativa de usurpação do poder decisório que por natureza pertence, de forma combinada e distribuída, a todos os agentes econômicos.


Aparte: a falta dessa formação de preços genuína é precisamente o que torna o cálculo econômico impossível no socialismo. “Planejamento central”, seja no socialismo ou na democracia, é uma ilusão economicamente irracional, antinatural e debilitante porque viola a espontaneidade das relações comerciais entre os indivíduos. Assim, um governo nunca faz nada para melhorar a economia: na melhor das hipóteses, ele para de atrapalhar, e ela melhora.


Este é o gráfico da taxa básica de juros da economia americana. Note o padrão descendente, desde a alta de 1980; note também a queda acentuada com a reação à crise de 2008; e por último, contraste o patamar atual, mínimo, com a série histórica:

Fed Funds Rate.jpg

A razão remota para os problemas gerados a partir da manipulação da taxa de juros é simples, uma regra de ouro: qualquer interferência na interação espontânea entre os indivíduos cria sempre uma correspondente distorção no mercado.

NYT

Imagine, então, que o primeiro dado a sofrer distorção foi nada menos do que o próprio dinheiro! Quando o lastro do dólar com o ouro foi removido, em 1971, um limite natural à criação de dinheiro pelos bancos foi posto de lado. Como era de se esperar, essa decisão estimulou o endividamento e gerou uma economia dependente de crédito. Para piorar, de quebra elevou um ato intrinsecamente imoral – a manipulação arbitrária da taxa de juros – a um novo patamar, tornando-o um evento crítico, digno da atenção da imprensa mundial.

Cabe dizer que se essa política estivesse correta a vida seria muito fácil: bastaria baixar os juros por decreto e pronto, a prosperidade estaria de volta. No mundo da economia real, entretanto, a virtude da abstenção voluntária precede o desfrute, e o resultado de se estimular a criação de investimentos que os indivíduos não poderão adquirir sem prejuízo para o vendedor (má alocação) é, como as crises ensinam, a destruição e a indisponibilidade de recursos que seriam úteis em cadeias verdadeiramente produtivas.

Abaixo, uma perspectiva histórica do nível de endividamento em todos os setores da economia americana ao longo de décadas. Repare a mudança a partir de 1971:

Total US Debt chart

E qual foi o resultado prático disso?

O gráfico abaixo mostra a relação desse endividamento com o crescimento do PIB.

Debt 40x chart

O endividamento aumentou 40 vezes desde 1971, enquanto que o PIB cresceu apenas 17 vezes no mesmo período. Para cada 1 dólar de dívida, somente 0,42 centavos foram acrescentados ao PIB. Mesmo para aqueles que acham que a variação do PIB representa um crescimento econômico genuíno, o resultado dessa política bastaria para condená-la.

E, deve-se notar, muito do crescimento do PIB é o subproduto de empréstimo e gasto de dinheiro que não temos em coisas que não precisamos. Dito de forma diferente: as dívidas permanecerão durante qualquer grave recessão econômica futura, mas o PIB, que é fraudulentamente baseado em níveis excessivos de empréstimo, irá vaporizar como se nunca tivesse existido em primeiro lugar.” (Chris Martenson)

A pequena ondulação na curva do gráfico, durante 2008-2009, foi o que quase destruiu o mundo. Todo nosso sistema de crédito e dinheiro chegou muito perto do colapso em grande escala, simplesmente porque não cresceu por alguns breves anos. Faz você tremer pensar o que teria acontecido caso tivesse sido contraído.” (Chris Martenson)

Bolhas em diversos setores

Essa crise é primeiramente uma bolha de dívidas (ou seja, no mercado de títulos). Mas durante sua confecção, bolhas de imóveis, ações e em uma série de outras classes de ativos foram criadas, como você pode conferir nos slides abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Qualquer dívida é uma reivindicação sobre a produtividade futura. Maior consumo hoje necessariamente significa menos consumo no futuro. Comprar a crédito meramente traz o consumo futuro para o presente, não cria riqueza adicional.

Portanto, é impossível que essas bolhas continuem indefinidamente.

Como explicado por Mises, a essa altura existem duas alternativas:

Ou os bancos continuam a expansão do crédito sem restrições e, assim, provocam crescimentos de preços cada vez maiores e uma orgia cada vez maior de especulação, que, como em todos os outros casos de inflação ilimitada, termina em um “crack-up boom” e em um colapso do sistema monetário e creditício; ou os bancos param antes que este ponto seja alcançado, renunciam voluntariamente a uma expansão de crédito adicional e, assim, provocam a crise. A depressão sobrevém em ambos os casos.”

Não há uma saída indolor. O que décadas de despotismo sobre o dinheiro – eufemisticamente chamado de “política monetária” – nos legaram foi a certeza de uma crise econômica.

A pior alternativa

Manter as taxas de juros nos níveis atuais apenas aumentaria o tamanho das bolhas e empobreceria ainda mais os cidadãos americanos. Quanto mais se espera, maior é o esgotamento das poupanças, o endividamento generalizado, a dependência dos programas de assistência social e a entrada de novos investidores em mercados sobrevalorizados que em breve destruirão o que lhes resta de capital. Essa perda poderá ser uma perda nominal ou em termos reais (que é quando se considera a inflação, a oscilação frente a moedas estrangeiras e ao ouro), mas em qualquer dos casos essas pessoas estarão mais pobres.

Os bens de capital surgem da poupança, ensina Ludwig Von Mises. Assim, para haver formação de riqueza, é necessário poupar para depois investir. Mas com taxas de juros tão baixas, não há incentivo para a formação de poupança. A criação de riqueza se torna infactível. Da mesma forma que acontece a um indivíduo que leva um padrão de vida acima do seu salário, há apenas consumo, endividamento e, a certo ponto, insolvência.

Os programas QE1, QE2, QE3, Operation Twist e, talvez no futuro, TARP e Helicopter Money são apenas tentativas de se postergar o dia do acerto de contas através de injeção de liquidez (criação de dinheiro, no bom português). Nenhum deles visa a resolver o problema, as bolhas geradas pela criação de crédito sem lastro, e ao adiá-lo todos o agravam. Eles representam a equivocada ideia keynesiana de “estímulo” econômico.

Como a situação infelizmente chegou a este ponto, é preferível que a tormenta se precipite antes cedo do que tarde.

Ademais, seria impossível perpetuar o endividamento. Uma vez que o serviço da dívida absorve uma parte significativa da renda das famílias, a recessão é o resultado inevitável, dado que o consumo colapsa porque elas não conseguem tomar novos empréstimos. Nesse ponto, os gastos dos consumidores caem e a recessão gera um ciclo depressivo de redução das vendas, lucros, empregos e salários.

O aumento da taxa de juros

Já elevar a taxa de juros produziria efeitos inversos aos descritos acima. Ressalve-se que embora a manipulação artificial, para cima ou para baixo, de qualquer preço de mercado nunca seja desejável para o cálculo econômico real dos agentes, é preciso adaptar o raciocínio à estrutura atual da economia americana, dado não é possível mudá-la da noite para o dia. Assim que, no contexto atual, pesar artificialmente para o outro lado significaria uma chance de criar incentivos propícios à formação de riqueza que há muito tempo estão ausentes.

Trata-se de um remédio amargo, pois em uma sociedade acostumada a viver a base de crédito, uma elevação do custo de se tomar emprestado teria um efeito devastador que desencadearia um processo de destruição de tudo aquilo que hoje depende de endividamento crescente. Financiamentos imobiliários, automotivos, estudantis, cartão de crédito, etc, sofreriam uma onda de inadimplência em massa que levaria à perda dos bens, por parte das pessoas, e do crédito, por parte do banco. A hesitação do FED em elevar a taxa de juros para níveis historicamente normais revela consciência entre causa e efeito.

Spending 2017

O orçamento do governo também seria um problema. Hoje, o governo americano dedica 7% (U$S 266 bilhões), da sua receita anual aos gastos com juros, pagando em média 2,2% de juros em suas dívidas. Supondo um aumento para meros 6% (ainda longe de um aperto monetário: contraste com o aperto que elevou a taxa para 18% em 1980), o percentual do orçamento dedicado somente ao pagamento dos juros equivaleria a 20% do orçamento; com 8%, o gasto equivaleria a impraticáveis 50%. Contrair novas dívidas para pagar as antigas é uma ideia que teria um prazo de validade também.

O aumento da taxa de juros impacta negativamente também o valor de mercado de ativos como títulos de dívidas, hipotecas e ações. Se você já tem conhecimento prévio dessa relação, pule o parágrafo abaixo, em verde, sem prejuízo da leitura.


A relação entre juros e valor do ativo

Vimos que uma taxa de juros genuinamente baixa sinaliza abundância de dinheiro poupado – bom para quem toma emprestado: as pessoas estão preferindo consumir no futuro em detrimento do presente. Logo, essa demanda potencial faz o valor futuro dos ativos se valorizar. De forma contrária, quando o preço do dinheiro está alto, é sinal de pouca poupança – ruim para quem toma emprestado: as pessoas estão preferindo gastar seu dinheiro agora. Logo, com menos demanda voltada para o futuro, o valor futuro dos ativos diminui. Resumidamente, o nível de poupança revela a preferência temporal em determinado momento, e esta impacta o valor dos ativos no tempo de preferência. 

Essa relação implica que um aumento da taxa de juros desvaloriza o valor de ativos que geram fluxo de caixa ao longo do tempo.


Quando isso ocorre, o valor desses ativos pressionado para baixo compromete a solvência das instituições que possuem balanços expostos a esses papéis.

(Taxa real de juro. Vale lembrar que o mais importante é a taxa real de juros, que é a taxa de juros nominal menos a inflação. Assim, se a taxa de juros nominal aumentassem de 5% para 6%, mas a inflação aumentasse de 2% para 5,5%, isso representaria um corte nas taxas de juros reais de 3% (5-2) para 0,5% (6-5,5). Assim, neste caso, o aumento das taxas de juros nominais significaria na verdade uma política monetária expansionista.)

A crise é o começo da cura

A crise que se desencadearia como consequência da volta da taxa de juros para níveis historicamente normais seria o início do doloroso processo de cura. É impossível que qualquer recuperação verdadeira aconteça antes de haver o estouro das bolhas atuais. o que significaria passar por uma severa depressão que deflacionaria os preços até patamares reais. Nada disso é novidade: trata-se da boa e velha Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos, formulada por Ludwig Von Mises. Para os não familiarizados com a teoria, basta entender que ela explica que essa crise é justamente a cura da inflação monetária precedente que causou as distorções na economia.

Entenda-se por “distorções” os setores que tiveram preços artificialmente inflacionados em decorrência da expansão monetária baseada em crédito sem lastro em poupança real. Esses setores atraíram recursos para si, mas eles não eram prioridades na visão dos consumidores e não havia recursos para consumi-los de maneira lucrativa para o produtor; por isso a teoria os considera uma distorção na cadeia produtiva. Sobre o sinal emitido ergueu-se uma estrutura de produção fadada ao insucesso.

A solução dos problemas causados por crédito artificialmente barato passa, em primeiro lugar, pela restrição do acesso a esse crédito artificial. A torneira tem que ser fechada, a formação de poupança estimulada e os preços reais de mercado (empréstimos, salários, bens de capital, insumos, etc) redescobertos.

Mas o FED não está agindo de maneira a permitir esta cura. Seus membros certamente entendem a dinâmica entre o nível da taxa de juros e a economia, mas suas ações não demonstram disposição de enfrentar as consequências econômicas e o desgaste político do processo. Até aqui, o discurso é um e a ação é outra.

E aqui está algo que até mesmo alguns bons analistas parecem ignorar: eles assumem que o FED conseguirá conciliar facilmente o aumento dos juros e a recuperação de uma economia largamente dependente de crédito.

Na prática, não tendo esta opção, lhe resta postergar o inevitável.

A verdadeira cura

O aumento da taxa de juros seria apenas o início da cura e, por si só, é incapaz de proporcionar um sistema sustentável no longo prazo – pensando décadas a frente -, conforme alternam-se presidentes e diferentes projetos de poder. Isso é algo que apenas a substituição do atual sistema por um com moeda e preços inteiramente livres poderia realizar.

A razão para isso é a forma como o dinheiro atualmente é criado. Neste momento, todo o dinheiro na economia é criado pelos bancos quando eles concedem empréstimos. Muitas pessoas assumem o pressuposto de que, quando os bancos emprestam, eles estão emprestando o dinheiro de uma outra pessoa. Mas eles não estão. O que eles fazem é criar um dinheiro novo, eletronicamente, ao digitar números nas contas específicas, e cobrar juros por isso – sobre um montante que eles criaram a partir do nada.

Ou seja, cada unidade de dinheiro na economia é também uma dívida mais o juro incidente. Isso significa que simplesmente não há dinheiro suficiente para restituir inteiramente o compromisso com o banco. É possível pagar a dívida, mas não a dívida e mais o seu juro. Resultado: você vai ter que tomar emprestado de novo se quiser pagá-lo. Mas como sobre esse novo empréstimo também incidem juros, esse ciclo se repetirá indefinidamente sem que você possa jamais se desobrigar financeiramente.

Daí que, quanto mais empréstimos são tomados pelo público, mais dinheiro há na economia. Quanto mais inflacionada for a oferta monetária, mais vantajoso para aqueles que criam o dinheiro (e cobram juros sobre tão nobre serviço). Contanto que o valor da moeda não seja destruído da noite para o dia por uma hiperinflação, esse arranjo pode durar por muito tempo; o tempo que durar a capacidade de endividamento crescente dos agentes econômicos. Quando essa capacidade cessa, a estabilidade do sistema começa a colapsar devido à inadimplência e à falta de liquidez.

Uma peculiaridade do sistema ocorre quando você paga uma dívida. O dinheiro que sai da sua conta bancária não vai para ninguém – ele somente desaparece. Isso acontece porque o pagamento de um empréstimo bancário é apenas o processo inverso ao de criação de dinheiro: os bancos criam dinheiro quando fazem novos empréstimos, e esse dinheiro é efetivamente “destruído” quando os empréstimos são pagos. Então quando muitas pessoas tentam pagar suas dívidas ao mesmo tempo, o dinheiro desaparece da economia. Como resultado de haver menos dinheiro e empréstimos concedidos, o consumo diminui.

Isso significa que é quase impossível reduzir nossas dívidas sem causar uma recessão. E você pessoalmente só pode pagar suas dívidas usando o dinheiro que foi criado quando outra pessoa entrou em dívida. Isso cria uma armadilha, onde ao longo do tempo o nível de dívida pessoal na economia deve continuar crescendo.

Os bancos possuem o planeta: tome-o de volta deles mas deixe-os com o poder de criar crédito; e, com a tinta da caneta, eles criarão dinheiro suficiente para comprá-lo de volta. Se você quer ser escravo dos banqueiros e pagar o custo de sua própria escravidão, então deixe-os controlar o dinheiro e o crédito. ” (Sir Josiah Stamp, diretor do Banco da Inglaterra, 1940)

Quando a crise ocorrerá?

Embora seja impossível determinar uma data no calendário, observando-se o gráfico a seguir, temos uma pista das circunstâncias que costumam anteceder crises. O gráfico traz a interessante relação entre a taxa básica de juros (Effective Federal Funds Rate) e a dos títulos de dívida de 10 anos do Tesouro americano.

Mas antes de analisar o gráfico é necessário fixar dois conceitos:

  1. Federal Funds Rate é a taxa de juros que as instituições depositárias (bancos e cooperativas de crédito) cobram para emprestar saldos de reserva umas às outras ao final de cada dia (essas reservas ficam depositadas no Federal Reserve e atendem a requisitos de reservas exigidos das instituições depositárias). As instituições com saldos excedentes em suas contas emprestam esses saldos às instituições que necessitam de saldos maiores. O importante aqui é entender que uma taxa alta desencoraja esses empréstimos e, consequentemente, restringe a oferta monetária. O Federal Reserve, através de operações de compra e venda de títulos no mercado, influencia a quantidade de dinheiro na economia com o objetivo de fazer a Federal Funds Rate (FFR) se aproximar do alvo determinado pela política monetária do FED.
  2. 10-Year Treasury Note é um título de dívida emitido pelo governo dos Estados Unidos que vence em 10 anos. O rendimento (yield), expresso em percentagem, é a taxa de juros que o governo dos Estados Unidos paga por empréstimos de diferentes períodos de tempo. Seu rendimento é uma variável sensível por servir de referência para os empréstimos em toda a economia.

Note o padrão no gráfico abaixo. Todas as vezes que o rendimento da Federal Funds Rate superou o yield do 10-Year Treasury Note o resultado que se seguiu foi uma recessão (representadas pelas áreas sombreadas do gráfico). Como explicado acima, uma FFR elevada em relação ao rendimento do título do Tesouro de 10 anos subtrai a diferença entre a taxa que os bancos captam dinheiro e a que eles emprestam – spread. Sem essa margem, as instituições preferem não emprestar e menos dinheiro circula na economia.

Edit

De 1981 até hoje, o FED realizou cinco ciclos de redução da taxa de juros. Em todas, o aumento que se seguiu foi apenas parcial, para um patamar menor que o anterior, e cada ciclo reduziu a taxa de forma mais profunda e manteve-a no mínimo do ciclo por mais tempo. Um aumento durador nunca foi concretizado porque a economia dos EUA sempre entrou em recessão antes que o FED pudesse efetivamente aumentar o rendimento do título de 10 anos por meio do FFR. A ferramenta do FED para aumentar a taxa de longo prazo matou a parte da economia sensível à variação taxa de juros antes que um aumento de longo prazo pudesse ser alcançado.

ffr 10yr

Neste momento em que escrevo, a FFR é 1,25% e o 10-Year Bond Yield, 2.38%.

O que Trump pode fazer?

Não é preciso reinventar a roda, mas prestar a atenção a alguns economistas esquecidos e solenemente ignorados na academia. Com a palavra, Murray Rothbard:

MurrayRothbard

Qual o papel do governo na cura de uma depressão? Em primeiro lugar, o governo deve parar a inflação monetária o mais rápido possível.  É verdade que isso irá, inevitavelmente, interromper de forma abrupta a expansão econômica artificial, dando início a uma inevitável recessão ou depressão.  Porém, quanto mais tempo o governo esperar para fazer isso, piores serão os reajustes necessários.  Quanto mais rápido o reajuste recessivo vier, mais rápido irá terminar.  Isto significa, também, que o governo jamais deve tentar estimular empresas insolventes; ele jamais deve socorrer financeiramente ou mesmo dar empréstimos a empresas que estejam com problemas.  Fazer isso simplesmente irá prolongar a agonia e transformar uma profunda, porém rápida depressão, em uma duradoura e crônica doença.

Da mesma forma, o governo jamais deve tentar estimular salários ou preços dos bens de capital; fazer isso irá apenas prolongar e atrasar indefinidamente a conclusão do processo de ajuste; a intervenção do governo irá dar sobrevida à depressão e causará desemprego em massa naquelas indústrias de bens de capital que são as mais vitais.  O governo também não deve tentar inflacionar novamente para sair da depressão, pois, mesmo se essa reflação fosse bem sucedida, isso iria apenas causar problemas posteriores.  O governo não deve tentar estimular o consumo, tampouco deve aumentar seus próprios gastos, pois isso iria aumentar a proporção consumo/poupança da sociedade.  Com efeito, cortar o orçamento do governo iria melhorar essa proporção (diminuindo o consumo e aumentando a poupança).  Em uma depressão, a economia precisa de mais poupança – e não de mais gastos com consumo – para que possa validar alguns dos investimentos errôneos que foram efetuados durante a fase de expansão da economia.

Assim, de acordo com a análise misesiana, o que o governo deveria fazer durante uma depressão? Absolutamente nada. Do ponto de vista da saúde econômica, e considerando-se que a intenção seja acabar com a depressão o mais rápido possível, o governo deveria seguir uma política estritamente laissez-faire, sem qualquer intervenção.  Qualquer coisa que o governo faça irá obstruir e atrasar o processo de ajuste do mercado; quanto menos ele fizer, mais rapidamente o processo de ajuste de mercado fará seu trabalho, e uma sólida e sustentável recuperação econômica será a conseqüência.”

Conclusão

É bastante improvável que Donald Trump consiga adiar o problema para seu sucessor, como conseguiram seus antecessores. Se a crise for instrumentalizada por políticos com perfil anti-mercado, como certamente será, cria-se o risco de uma guinada à esquerda e de que os EUA elejam um presidente socialista em 2020.

Independentemente do que acontecer no âmbito político, é fundamental não se deixar enganar pela propaganda anticapitalista. Quando os detratores do livre mercado se entusiasmarem e atacarem com seus sofismas, a racionalidade da ciência econômica terá que se sobrepor ao sentimentalismo do discurso ideológico.

Não se trata da busca por uma vitória meramente científica: a substância real da abstração que denominamos “crise econômica” é o sofrimento humano concreto e prolongado – e ele será um flagelo recorrente enquanto a Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos permanecer ignorada por aqueles que, apesar disso, têm na ponta da língua uma sugestão para a construção de um mundo melhor.

→ Se você gostou deste artigo, curta o blog no Twitter ou no Facebook para acompanhar novas publicações.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s